CURSO: “Clínica Psicanalítica: a arte de desvendar os enigmas dos conflitos inconscientes.”

postado em: Uncategorized | 0

O EPA oferece a oportunidade de você debater as questões da clínica psicanalítica, no curso “CLÍNICA PSICANALÍTICA: a arte de desvendar os enigmas dos conflitos inconscientes“, nos dias 26 e 27 de maio de 2017, pois como nos diz o Psicanalista Jorge Sesarino respondendo uma pergunta sobre o ensino da Psicanálise: a Psicanálise precisa ser estudada em instituições de ensino de Psicanálise, com Psicanalistas, pois as universidades são espaços de INFORMAÇÕES de Psicanálise e não de TRANSMISSÃO de Psicanálise, principalmente não QUALIFICAM para o atendimento clínico psicanalítico.

– Como você pensa a psicanálise e o ensino da psicanálise na universidade? Há diferença entre ensino e transmissão em psicanálise?

Resposta: Só o fato de ter duas palavras já está dizendo que são diferentes. A psicanálise na universidade não existe e não é possível. Como criar um dispositivo analítico: uma demanda de análise e um analista? Não é possível. O que tem na universidade é informação, da Psicanálise enquanto uma teoria, uma história, um discurso sobre a Psicanálise. Ela é uma convidada no curso de Psicologia. Tem-se programas, está em currículos como disciplina, Psicanálise 1, 2, 3, 4. Tem teorias, histórias, textos, artigos, Ensina-se desde Freud, Melanie Klein, Winnicott até o sujeito que está dando aula com seus próprios textos, ensinando alguma coisa. Mas claro, isso não é psicanálise. Nem o ensino, nem a transmissão, tal como Freud e Lacan a concebem, não é possível na universidade. Por isso, é bom dizer, é impossível fazer psicanálise na universidade. Mas não é impossível falar de psicanálise na universidade.

Então, se fala de psicanálise na universidade, sim, se estuda teoria psicanalítica na universidade, sim, dá pra fazer trabalhos acadêmicos, dá pra estudar intelectualmente e tecer considerações interessantes, fazer jornada ou congresso, apresentar trabalhos, dissertar, desenvolver teses, todo o campo do saber ao modo do discurso universitário é compatível com o discurso psicanalítico enquanto falar da psicanálise. Para torná-la presente na cultura como uma teoria, dar notícias de uma prática que existe, como um constructo hipotético, já que a psicanálise é um conjunto de hipóteses que, do ponto de vista da ciência, é pouco eficiente, pois não é verificável, não é comprovável ao modo da ciência. A CIÊNCIA É UM EXPERIMENTO, A PSICANÁLISE É UMA EXPERIÊNCIA. Isso não impede que ela exista como outra coisa, que é a psicanálise como uma experiência. Uma experiência não pode ser ensinada na universidade. Um por um precisa se submeter a ela, no dispositivo analítico.

Então, quem quer saber psicanálise de verdade só vai saber se deitar no divã, se se põe a fazê-la, esse sim pode dizer que sabe psicanálise. SE FAZ, POR EXEMPLO, O CURSO DE PSICOLOGIA, SE FORMA EM PSICOLOGIA E DIZ ‘ESTUDEI PSICANÁLISE, POSSO ATENDER EM PSICANÁLISE’. NÃO É VERDADE. É UMA MENTIRA, PODE SER INOCENTE, MAS A UNIVERSIDADE DÁ AUTORIZAÇÃO PARA EXERCER PSICOTERAPIA, PRA SER PSICOTERAPEUTA E PSICANÁLISE ESTÁ A MILHAS DE DISTÂNCIA DE UMA PSICOTERAPIA. Não há nada entre a psicanálise e a psicoterapia, ainda que seja verdade que aconteça efeito psicoterapêutico em quem faz análise. Ela não é uma arte, uma técnica, uma habilidade terapêutica. Ela não visa a terapêutica. Você pode fazer um mestrado ou doutorado em psicanálise, eu mesmo fiz doutorado, e isso não torna ninguém psicanalista, isso é um conjunto de informação, de estudo teórico, intelectual, que não serve para nada, no sentido de ensinar e transmitir psicanálise, não serve para nada.

Freud se preocupava que a psicanálise continuasse a existir. Sabemos que para existir psicanálise é preciso que existam psicanalistas e para que existam psicanalistas é preciso que exista quem se analise e conduza a sua análise até concluí-la, se tornando analista de si mesmo. E, se tiver desejo de analista, a receber outros que também queiram se analisar. Não se é analista sozinho, se precisa de outros analistas, seja para continuar sua FORMAÇÃO INTERMINÁVEL, para compartilhar, para viver em comunidades de analistas, sustentar o laço social entre analistas, inclusive suportar suas diferenças narcísicas.

AINDA QUE A PSICANÁLISE NÃO PRESCINDA DE ESTUDO, PRECISA SIM ESTUDAR, A FORMAÇÃO DE PSICANALISTA É IMPOSSÍVEL NA UNIVERSIDADE. Só é possível em escolas de psicanálise, em comunidade de psicanalistas. Ao modo que as escolas ensinam, a própria análise, o estudo a partir da própria análise e das questões que vai podendo dar conta de buscar na teoria para entender. É um caminho tão singular a psicanálise. Não cabe nisso que chamamos de universidade, esse universal, ela não tende a um universal. A ciência tende a um universal. A psicanálise tende ao singular, ao um por um… A psicanálise enquanto teoria serve para interrogar, ‘o que é a psicanálise’, ‘o que é cura’, ‘o que é psicoterapia’, então, como ferramenta de questionamento ela tem uma função útil na universidade, MAS NÃO É UM SABER QUE SE APRENDE, QUE SE ADQUIRE E PODE-SE EXERCER GRAÇAS AO TEMPO QUE SE ESTUDOU NA UNIVERSIDADE, QUE SE HABILITOU CONFORME O DIPLOMA TITULA E AUTORIZA.

Aguardo vocês,

Psicanalista e Profa. Mestra Cristina Ferreira-Coordenadora do EPA